quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Mágoa


Geração de Magoáveis

“Mágoa”: uma palavra originada da aglutinação entre “má” e “água”, um termo conhecido como “água ruim”. A mágoa é um acúmulo de sentimentos guardados por diversas frustrações com determinadas pessoas ao longo da vida. Há quem diga que uma das materializações da mágoa seja o câncer. Se entendermos o ponto de vista de que a mágoa é uma água que ficou ruim, podemos montar alguns cenários para nos tratarmos, vendo onde estão os erros.
Partindo do pressuposto de que a água já foi boa um dia, temos como imaginar que, se foi boa, então ela foi capaz de ser água para sedentos. Quero entender, em primeira instância, um modelo em que nós somos recipientes dessa água e que estar cheio de água só nos resume ao ponto de sermos bênçãos para conter e compartilhar essa água, pois recipiente vazio não tem sentido nenhum, não foi pra isso que ele foi feito. Embora o recipiente não tenha o direito de reclamar o que colocam dentro dele, nós temos. Todavia, não fazemos e isso é o mais triste em nós, porque a água que está em nós, e que atenderá a sede de muitos, começa a ser contaminada aos poucos e não percebemos mas vamos adoecendo e transmitindo impurezas aos sedentos.
Ao passar do tempo, quem antes bebia de nossas águas com amor e alegria, acaba bebendo pela necessidade ou costume e o pior é que se éramos um recipiente limpo e desejável, agora somos sujos e com a aparência desgastada. Tudo que vamos acumulando de ruim, vamos passando para os que conosco andam e dependem. Quem pensa e não se torna refém disso, consegue ir a outras fontes e continua a matar a sede com a boa água. Porém, o pior nisso é que os que pensam e vão avante são minoria em meio à multidão; é por isso que, às vezes, vemos pessoas que são fanáticas e super-religiosas e que não conseguem abrir a mente para uma realidade melhor – temos que entender que elas beberam um dia da água boa, mas como a mágoa é processual e demanda etapas demoradas, essas pessoas se acostumam e, pra elas, as águas nunca mudaram.
Nossa geração é, realmente, de gente assim: magoáveis, muito porque não pensam e são imediatistas, não aceitam nada que seja contra as suas vontades e, devido a isso, estão aceitando qualquer tipo de água para beber e para jorrar. São coitados em tudo e nunca erram. Ouço diversas pessoas e quando encontro um errado fico muito feliz, pois é esse tipo de pessoa que quero encontrar pra não perder meu tempo com “vencedores” que não se assumem, que estão sempre magoados com tudo e com todos. Horrível é quando um desses magoáveis ainda conseguem imputar a culpa em Deus. Nossa! Achar alguém que diz ser culpado um Deus bom como Ele, é como ouvir o diabo falar que fez um bem a alguém.
Felipe Santos