quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Submissão não Significa Escravidão


Quando a mulher crente busca a graça de Deus e a luz do Espírito Santo para capacitá-la a se submeter ao marido, não está correndo o perigo de se tornar uma escrava. Geralmente, uma mulher descobre que se sente melhor quando é submissa do que quando é dominadora. Certamente, ela terá uma comunhão mais preciosa com Deus quando for obediente a seu marido por amor ao Senhor, do que quando desobedecer a Deus, dominando ao marido.
Submissão não significa que uma mulher não pode dar sua opinião, "seguindo a verdade em amor" (Efésios 4:15), mas que deve procurar ser submissa aos desejos do marido quando ele tomar uma decisão e concordar, sempre que for humanamente possível, com suas exigências.
Haverá ocasiões em que ela terá de fazer alguma coisa que realmente não queira; mas, semeando as sementes da obediência, naquele particular, ela colherá bênçãos em muitos outros. Lembre-se sempre de que você colherá mais do que tiver semeado. Se você semear submissão, em obediência a Deus, colherá bênçãos em abundância; se você semear rebelião, em desobediência à vontade de Deus, colherá abundante infelicidade. Algumas mulheres têm um temperamento mais agressivo do que o dos maridos, e, realmente, é mais difícil para essas serem submissas. De fato, o único modo que conheço de elas poderem fazê-lo é reconhecerem que se trata de uma responsabilidade espiritual. Quando esse fato estiver firmado em sua mente, qualquer mulher poderá buscar a graça de Deus para ser a pessoa submissa que Ele deseja que ela seja.   (CASADOS... MAS FELIZES - TIM LaHAYE)