segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

AS SEIS CHAVES DA FELICIDADE CONJUGAL





Amor
A terceira chave que garante a felicidade de um casamento é o amor. Provavelmente nenhuma outra palavra é mais incompreendida do que esta. A maioria das pessoas, hoje em dia, não sabe o que é o amor. Geralmente confundem atração física, sensualidade, desejo pessoal, simpatia ou compaixão, com amor. Amor é uma das experiências mais comuns do homem e uma das mais difíceis de se definir. Webster define-o como "um sentimento de forte ligação pessoal, induzido por uma atraente compreensão, ou por laços de afinidade; afeição ardente".
A Bíblia diz que o amor do marido por sua mulher deverá ser igual ao amor que ele sente por si mesmo. Deus o instruiu para que amasse sua esposa sacrificialmente, como Cristo amou à Igreja e deu Sua vida por ela. Nenhuma mulher se sentirá infeliz se receber essa espécie de amor, e o marido que dá tal amor será o recipiente de um amor sacrificial.
Como Deus, o amor não pode ser visto, mas sabemos de sua existência pelos seus efeitos. É mais fácil descrever o amor do que defini-lo.
Apesar de muitos terem procurado descrever o amor, nos anais da literatura não há nada que se compare com as magistrais palavras da pena do apóstolo Paulo, no grande capítulo do amor, I Coríntios 13. Observe a belíssima descrição que aparece no Novo Testamento Vivo (vss. 4-7):
"O amor é muito paciente e bondoso, nunca é invejoso ou ciumento, nunca é presunçoso nem orgulhoso. Nunca é arrogante, nem egoísta, nem tampouco rude. O amor não exige que se faça o que ele quer. Não é irritadiço, nem melindroso. Não guarda rancor e dificilmente notará o mal que outros lhe fazem. Nunca está satisfeito com a injustiça, mas se alegra quando a verdade triunfa. Se você amar alguém, será leal para com ele, custe o que custar. Sempre acreditará nele, sempre esperará o melhor dele, e sempre se manterá em sua defesa".